Preparação

Suicídio: saiba como ajudar na prevenção

Muitos estigmas, mitos e preconceitos envolvem a questão do suicídio. Apesar da pouca abordagem sobre o tema, os números ainda são alarmantes. Um estudo realizado em nove países mostrou que 10% a 18% da população já pensou em suicídio, e que 3% a 5% já tentaram se suicidar. Por mais que julgamentos equivocados e diagnóstico do potencial suicida sejam inevitáveis, a omissão por parte de quem convive com a pessoa adoentada deve deixar de ser previsível. A sensação de impotência deve ser deixada de lado e abrir espaço para a prevenção. O primeiro passo é reconhecer os fatores de risco e sinais, ficando atento ao outro.

 

“Nos dias de hoje, muitas vezes vivemos tão no automático que não prestamos atenção nas pessoas ao nosso redor. Os amigos e familiares passam por problemas que nem imaginamos, mesmo que encontremos com essas pessoas todos os dias, simplesmente porque julgamos não ter tempo de conversar. Tempo é questão de prioridade, e o cuidado com o outro é indispensável para o relacionamento humano saudável. Prestar atenção no outro pode muitas vezes salvar uma vida, pois aquele que acha que pode se suicidar porque se julga insignificante, acaba se sentindo valorizado com a atenção que lhe é dada naturalmente”, explica a psicóloga e especialista em luto do Grupo Vila, Mariana Simonetti.

Ela acrescenta que é importante dar espaço para ouvir a tristeza do outro. “Em algum momento da vida, passamos por situações que abalam nosso bem estar emocional. É importante que as pessoas tenham espaço para expressar esse mal estar, para que consigam ressignificar e superar com mais tranquilidade. Vivenciar a experiência do mal estar na solidão pode evoluir para sintomas de depressão, que pode resultar em suicídio, já que a pessoa tende a se achar ‘desencaixada’ do mundo, que não acolhe sua tristeza”, diz.

A especialista orienta, ainda, que nunca se deve desconsiderar o comentário de uma pessoa que em algum momento menciona querer tirar a própria vida. Apesar de ser comum se ouvir que “quem quer se matar não avisa”, as pessoas avisam sim e não somente para chamar atenção, afirma ela. “Pesquisadores  alertam  que pessoas que cometem suicídio muitas vezes deram sinais. Sendo assim, se alguém próximo menciona em algum momento que tem vontade de tirar a própria vida, é para ficar atento, observar os demais comportamentos, conversar com a pessoa e procurar suporte profissional. Essa pessoa pode estar pedindo ajuda e não necessariamente chamando atenção”.

Links relacionados:

Preparação

Medicina paliativa garante qualidade de vida para pacientes com doenças terminais

Saiba mais
Preparação

Cinco dicas fundamentais para viver mais e melhor

Saiba mais
Preparação

A importância da doação de órgãos

Saiba mais